Girando as máscaras de Laura Figueiredo

Publicado em: 10/09/2016     Imprimir artigo

Laura Figueiredo

Ela nasceu em Aracaju, sob o signo de escorpião, filha de uma dona de casa – que manda muito bem nas artes plásticas –  e de um bancário, formou-se em Direito aos 24 anos e este ano debuta na advocacia. Dona de um humor ímpar e de nome marcante, descortinamos a Personalidade de Laura Figueiredo. Guerreira e mãe de dois pequenos gênios, Laura atua no Direito Empresarial desde que se apaixonou por contratos públicos e privados, ainda quando estagiava. Sem ter referências advocatícias na família, foi a primeira a enveredar por fóruns e leis no clã dos Figueiredo.

Para este bate-papo, ela nos recebeu em seu escritório, que abriu ainda sozinha. Atualmente, ela conta com mais nove advogados, duas secretárias e duas estagiárias. Desbravando o mercado local, Laura foi conquistando empresas diversas na capital e no interior do estado. Hoje, já não existem fronteiras para que ela ofereça um serviço diferenciado, respeitando as necessidades de cada cliente. O seu escritório é bem localizado, de fácil acesso e atende nas diversas áreas do Direito pessoas físicas e jurídicas com o mesmo peso.

Em 2015, Laura foi agraciada com o Prêmio Mulher de Negócios, promovido pelo Sebrae. Evento que coroou sua jornada de trabalho ao ser o primeiro escritório de advocacia a mostrar um processo de gestão e inovação diferenciado. “Todo mundo pensa que um escritório de advocacia só trata de coisas jurídicas. E não é bem assim. Aqui somos uma empresa como outra de qualquer segmento. Implementamos projetos de sustentabilidade com economia de papel, de água e de energia. E esse foi um dos fatores que contribuiu para ganharmos este prêmio do Sebrae, o que surpreendeu a todos”, explica.

“Girando as máscaras” – frase que abraçou de um professor, deixamos de lado a seriedade da advogada e encontramos uma mulher disposta à vida. Após o nascimento da primeira filha, Sofia (6), Laura encontrou um novo mundo, foi transformada por completo na figura da mãe coruja. “Os amigos mais próximos e alguns parentes até estranharam ao me verem fazendo coisas que eu mesma jamais me imaginaria fazendo. Mas eu adoro. Adoro brincar e correr com meus filhos. Sinto falta quando não estou com eles”, se emociona. Ao lado dos pequenos, ela recupera momentos de inocência e peraltice.

Inimiga do verão, essa nordestina arretada tem alma nórdica e prefere o clima frio. Em contrapartida, um bom prato de massas e camarão, bem quentinho, quase a levam ao êxtase. Entre a companhia dos livros e bons momentos com os amigos, ela equilibra bem seu bem-estar e desopila o espírito sempre que pode, seja na companhia dos amigos, dos pequenos gênios ou da literatura.

Com visão empreendedora e vanguardista, ela diz que é na crise que se deve ter criatividade para aproveitar as oportunidades. “Os cinco primeiros anos de trabalho de um advogado são os mais difíceis. Tem gente que abandona dois anos após se formar e entrar na OAB. Mas, como em todos os segmentos comerciais, é preciso vencer a crise com criatividade. E nisso, nós brasileiros, somos espetaculares. Basta estudar o mercado, analisar as oportunidades, planejar e executar. Assim, conseguiremos vencer qualquer crise.”, aconselha.

 

CompartilharShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0

Comentários

  1. Parabéns a essa extraordinária advogada, mulher empreendedora, dinamica e objetiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *








© 2016 Instituto Vegas de Pesquisa de Opinião Pública EIRELI. Todos os direitos reservados.